SE A SUA CLIENTE TEM DIFICULDADE COM AS EMOÇÕES, A TERAPIA COMPORTAMENTAL DIALÉTICA VAI TE AJUDAR A NORTEAR E DESTRAVAR SEUS ATENDIMENTOS

Entenda como a maneira DBT de entender e trabalhar as emoções, comportamentos e cognições vai te dar segurança, e direcionamento ao atender pessoas que têm dificuldade em regular emoções (e as que não têm também).

Assista a aula ABAIXO e aprenda:

  1. Um exempo de como explicar um episódio emocional
  2. Uma forma simples e direta de falar sobre emoções que você conseguirá aplicar imediatamente ao final da aula.
  3. Aprender sobre as 3 funções das emoções que PRECISAM ser trabalhadas com toda paciente.

Se você quer aprender essa forma de trabalhar regulação emocional, clique no link agora.

seu caso está travado agora?

O que fazer quando a família está entrando em contato? Ou quando o caso não parece andar? E se você acha que sua cliente precisa participar de um treino de habilidades, mas não tem dinheiro? Sua cliente está em crise, o que fazer?

Você não é a única que passa por essas e muitas outras situações! Por isso eu criei a parte do “Diego, me socorre” em que eu faço uma “supervisão assíncrona”. O que isso quer dizer: eu pego temas repetidos que ouço em supervisões e dou orientações e indico quais partes do curso você pode focar naquele momento. Aqui estão alguns temas que já abordei por lá!

Pessoal que tem assistido tá de prova que são aulas pra você conseguir assistir e buscar fazer imediatamente.

Como o curso tem auxiliado as psicólogas(os)!

O Problema da Desregulação Emocional

O Brasil tem mais de 214 milhões de habitantes, sendo 80% adolescentes e adultos. O DSM sugere que pessoas com desregulação emocional grave (que fecham o diagnóstico para Transtorno de Personalidade Borderlinepodem representar até 5,9% da população, o que corresponderia a cerca de 10 milhões de pessoas.

Eu não acredito que esse tanto de pessoas fecharia o diagnóstico para borderline, mas acredito que se considerarmos os casos mais “leves” de desregulação (pessoas com desregulação leve a moderada de ciúme, raiva e outras emoções) esse número pode ser ainda maior

Então quais as chances de alguém alguém com desregulação emocional (severa ou leve) precisar da sua ajuda

A Terapia Comportamental Dialética (DBT) foi desenvolvida para lidar justamente com casos de desregulação emocional (grave ou não). Só que aprender sozinha é tarefa complicada (eu sei, eu tentei).

E aprender estudando por horas e horas não somente é inefetivo como pode te fazer desistir. Com o tempo eu percebi o seguinte:

O que te faz aprender Terapia Comportamental Dialética (DBT)  e Regulação Emocional não é estudar MUITO e durante muitas horas. É estudar de pouco em poucoAPLICAR e depois estudar mais um pouco.

O MÉTODO CME: APRENDA DE ACORDO COM O SEU NÍVEL.

Você já teve dificuldade de conectar o conteúdo de uma aula com a outra? Alguma professora já perguntou algo como “Vocês já aprenderam isso?” ou você até entendeu as intervenções de maneira isolada, mas na hora de passar para a sua prática teve dificuldade?

Na maior parte das vezes isso acontece porque a “estrutura” do ensino dificulta essa contextualização: várias aulas aqui e ali, nem sempre conectadasmisturando tudo e sem considerar o que você já sabe.

Isso te trava na hora de transformar aula em prática.

Pensando nisso eu tenho ensinado DBT com o que eu chamo de “Método “Começo-Meio-Entre”: um ensino baseado no que você já sabe, com o ritmo e sequência parecido com a psicoterapia.

 

Eu quebrei as etapas do aprendizado da DBT em passos menores e viáveis para que você saiba no que focar seus estudos de acordo com o que já sabe sobre desregulação emocional e DBT.

Assim fica mais fácil você saber o caminho que precisa seguir para trabalhar regulação emocional da sua cliente.

Mente de Principiante

Objetivo: entender a teoria que embasa os conceitos de regulação e a desregulação emocional.

Aqui você aprende a ler as dificuldades da sua cliente a partir da perspectiva da (des)regulação emocional. Se você veio da TCC, hora de ampliar o modelo cognitivo. Se você veio da análise do comportamento, hora de expandir o olhar sobre o modelo da tríplice contingência… É importante que você consiga tirar os “óculos” da sua abordagem por um tempo para perceber o que tem de novo e diferente na DBT. Em pouco tempo de aula você aprenderá os seguintes temas:

Modelo BiossocialAmbiente InvalidanteRegulação EmocionalDesregulação Emocional.

Até mais, protocolos

Objetivo: te libertar da visão “protocolar” da prática clínica..

A DBT é uma terapia baseada em princípios e não em protocolos. Isso muda muita coisa: você passa a ter mais consciência de quais são os princípios que atuam a todo instante na terapia e assim decidir de forma intencional quando ser mais ou menos protocolar. Aqui é o pontapé inicial para deixar de lado a sensação de ser uma fraude ao conhecer o princípio da caixinha de ferramentas.

Princípios ComportamentaisPrincípios da AceitaçãoPrincípios da Dialética

Bons Começos

Objetivo: conduzir encontros iniciais que estruturam a terapia, sem deixar aquela sensação de estar perdida o tempo todo.

Aqui é mão na massa para os encontros iniciais. Você aprenderá a identificar valores de vida, metas de terapia, monitoramento de alvos e o principal: organizar o sofrimento da sua cliente na lógica de estágios. Para cada estágio você sabe se deve adicionar ou retirar intervenções e modos de tratamento. Já nessa fase você aprenderá como avaliar e conduzir situações de risco de suicídio. O mais interessante dessa parte é que você já deve fazer algumas coisas, o que você vai aprender é uma forma de estruturar e organizar os encontros iniciais.

Estágios de tratamentoValoresComportamentos alvosObjetivos e MetasComprometimentoPlano de SegurançaAvaliação e Manejo do Risco de Suicídio (L-RAMP)

Meio

Objetivo: conduzir uma sessão típica em DBT.

Aqui é o momento em que você terá uma das maiores curvas de aprendizado, ao mesmo tempo que ganha mais confiança. Nesse ponto você aprenderá sobre como organizar agenda de sessão com base na hierarquia de alvos, realizar análises em cadeia úteis (nem análises generalistas, nem detalhadas demais e que não servem pra nada) e propor soluções que seu cliente se comprometa. É só nessa fase que você vai se dedicar a aprender habilidades DBT e outras intervenções básicas para se sentir confiante em seus atendimentos. Temas principais:

Cartão diárioAnálise em CadeiaMissing LinkAnálise de SoluçõesHabilidades DBTExposição InformalModificação CognitivaManejo de Contingências

Entre

Objetivo: desenvolver seu cliente entre as sessões (e se cuidar).

A gente sabe que a terapia acontece mesmo entre as sessões: pode ser quando o cliente entra em crise e nos aciona por telefone ou quando tenta colocar “o que aprendeu” em prática na vida dele. Esse é o momento de aprender sobre grupo de habilidades (caso queira criar um grupo), coaching telefônico (contatos entre sessão para generalizar habilidades ou manejar crises) e também sobre como criar uma equipe de consultoria, que é um grupo de psicólogas que se reúne para apoio, cuidado e auxílio na condução dos casos que são difíceis.

Treino de habilidadesCoaching TelefônicoEquipe de ConsultoriaManejo de Crise ao Telefone

SUPORTE E AULAS EXTRAS

Todo mês você terá pelo menos uma aula ao vivo para tirar dúvidas ou para aprender sobre um tema complementar ao da DBT.

Isso significa que ao longo do seu tempo de acesso você terá pelo menos 18 encontros ao vivo.

Em alguns desses encontros também teremos momentos de role-play comentados das habilidades clínicas ensinadas.

Qual a diferença para um role-play comum? 

Não basta apenas assistir um role-play e achar que isso será suficiente para você aprender a lógica da intervenção e do raciocínio clínico. Como sempre falo: assistir programas de culinária todo dia não te torna um cozinheiro.

Se liga nas aulas que já estão na plataforma ou que já estão confirmadas e ocorrerão ao vivo:

  • O raciocínio clínico em DBT – Thiago Mácimo (gravação já disponível).
  • Evidências da DBT – Bernardo Mattos (gravação já disponível).
  • Transtorno por uso de substâncias: integrando tratamentos ao modelo DBT (em breve).
  • O modelo CAMS de intervenção em Risco de Suicídio – Juliana Massapust – Aula ao vivo no dia 16/03.
  • DBT e população negra – Meire Lima. Aula ao vivo no dia 20/04.
  • Intervenções cognitivas e DBT (ao vivo) – em breve.

Nesses encontros vamos COMPLEMENTAR tudo que você já terá aprendido nas aulas gravadas

Fora isso eu respondo todas as dúvidas deixadas na plataforma ou no nosso grupo de WhatsApp que é único.

QUEM SOU EU

Estou mergulhado na DBT desde 2015: comecei a estudar sozinho, passei por grupo de estudos, cursos de formação, formação do Behavioral Tech (o braço de formação do Instituto Linehan), conduzi grupos de habilidades presenciais para pacientes e profissionais, grupos online para pacientes e também para familiares.

Gostei tanto que comecei a dar aula sobre o tema em 2018 aqui no meu estado, trouxe grandes nomes da DBT pra cá porque queria que mais pessoas aprendessem o que eu estava aprendendo. Em 2021 fui coordernador de uma pós em DBT e entre 2020 e 2023 criei (em parceria) o projeto chamado “Tutoria em DBT” em que formamos 5 turmas.

Fora isso venho ensinando em diferentes instituições ao redor do Brasil: INTCC Rio, Instituto Continuum, Atitude Cursos, CAAESM, IBAC, Faesa, Emescam e por aí vai.

Cada aula dessa me ajudou a perceber as dúvidas mais frequentes e as dificuldades mais relatadas. Assim fui adaptando minha forma e estratégia de ensino.

Foi a partir dessa experiência que veio a lógica de construção do “Por Dentro da DBT”.

Para quem é o curso?

  • Quem nunca viu DBT na vida além de uma aula ou outra: o curso foi desenhado para te ensinar do conceito mais básico possível até as intervenções na prática.
  • Estudantes de Psicologia: na época da graduação é complicado demais a gente se você ainda é estudante, saiba que tenho estudantes que já estão se beneficiando. Só a parte gravada do curso já vai te auxiliar muito mesmo! Muito! Fora que você poderá levar o que aprender aqui para conversar com sua orientadora, por exemplo. Agora com os encontros ao vivo isso terá um impacto ainda mais absurdo. Lá no final tem o depoimento de um estudante. Confere lá.
  • Psicólogas comportamentais: se você é da terapia comportamental, behaviorista radical,  fã de Skinner como eu, adora uma análise funcional e fica com receio de aprender coisas fora do que tem base behaviorista radical (eu já fui desses), deixa eu falar especialmente com você. Eu fiquei quase 1 ano enrolando pra aprender a DBT porque tinha o nome “cognitivo” na capa do livro da Linehan. E que arrependimento por ter feito isso… Porque eu era muito bom em fazer análise funcional, mas quando tinha a análise funcional prontinha acabava ficando travado! E foi isso que encontrei na DBT: fiquei destravado. Se você sente falta de intervenções que já venham mais “prontinhas” para utilizar depois que fizer a análise funcional, ou de habilidades comportamentais fáceis de aprender e ensinar para seus clientes, só vem. Tá aqui a Larissa que não me deixa mentir.
  •  Psicólogas cognitivo-comportamentais: se você vem da TCC,  sabe reestruturar uma crença que é uma maravilha, mas sente que para muitas clientes isso não é o suficiente, vem comigo. Sabe aquela coisa da cliente entender que reestrutuar a crença faz sentido, mas que ainda assim a emoção não muda de jeito nenhum? Pois é. Além disso você vai entender de uma vez por todas os princípios básicos da Análise do Comportamento e isso fará toda diferença na sua prática. Tá aqui a Bianca que não me deixa mentir:
  • Quem já fez outras formações em DBT: com certeza. Não importa se você fez uma formação curta ou longa, eu tenho CERTEZA que o curso vai acrescentar MUITO para a sua prática. CERTEZA. Olha a Vanessa e a Thais falando aí embaixo que não me deixam mentir.

O que o pessoal tem falado sobre o curso

FAQ - PERGUNTAS FREQUENTES

1. Preciso saber TCC para entender DBT?

Não. De forma alguma. A base da DBT é a Análise do Comportamento. Saber TCC vai facilitar que você aplique algumas intervenções cognitivas, mas definitivamente não é necessário.

2. Não sei Análise do Comportamento. Consigo aprender?

Consegue porque eu ensino os princípios básicos de uma forma bem aplicada no curso. Te garanto: você vai aprender com as aulas gravadas ou nos plantões tira-dúvidas.

3. Serve apenas para casos graves?

Não. Definitivamente não. Você já atendeu que tinha desregulação com ciúme? Ou apenas com raiva? Ou com vergonha? O que isso tem em comum: é tudo EMOÇÃO. Então se você atende pessoas que têm dificuldade com uma ou outra emoção a DBT vai te ajudar.

4. Qual o tempo de acesso?

Você terá 18 meses para assistir as aulas e participar dos eventos ao vivo. 1 ano e meio. Isso quer dizer que se você pegar o valor do curso dividir pelo tempo de acesso, pagará menos de R$70 por mês para ter um curso completo em DBT + vários encontros ao vivo e aulas extras.

Tem alguma dúvida? Envie uma mensagem diretamente para o meu WhatsApp. É direto comigo, sem falar com equipe.