Será possível ter uma vida equilibrada?

Desde pequeno contam pra gente uma historinha de que se você fizer tudo certo e se esforçar bastante… Plim! Sua vida está lá, equilibrada. E pronto: assim permanecerá. Você encontrou o tal do equilíbrio. E principalmente: se a sua vida não está equilibrada, alguma coisa está muito errada.

E aí nós tentamos fazer tudo certo, planejamos, executamos e em algum momento conseguimos alcançar aquilo desejávamos, esperando o tal do equilíbrio. E logo percebemos que a vida não está tão equilibrada quanto imaginávamos.

É como se o seu esforço em busca do equilíbrio fosse um cobertor curto. Se você puxa para um lado, outro fica descoberto.

com-os-pes-fora-do-cobertor-11f9c1-300x270

Por exemplo: você resolveu focar na sua saúde. Começa a se exercitar, gastar mais tempo preparando a sua comida e tantas coisinhas mais. Consegue equilibrar suas taxas, diminuir/aumentar o peso e passa a se sentir bem com isso porque chegou ao estágio que deseja. Mas ao olhar ao redor percebe que está passando menos tempo com os amigos ou com a família ou se dedicando menos ao trabalho.

Mas calma. Isso é normal.

Ao menos para a maior parte de nós, meros mortais. Focar em uma área da vida e alguma outra ficar (pelo menos um pouco) descoberta não é algo de outro mundo.

“Mas, Diego… Isso não é um problema?”

Continuando com o exemplo do cobertor. Imagine que você está em um lugar bem frio e com tal do cobertor curto. Se você deixar alguma parte do corpo para fora por algum tempo não é um problema, mas se deixar por muito tempo aquela parte do corpo pode congelar e cair (cobertor quase mágico que protege de te congelar, mas imagina aí).

Essa é a lógica que eu vejo com os esforços dedicados às diferentes áreas da vida: não focar em cobrir apenas uma parte, mas de tempos em tempos alternar o quanto cada área ficará (des)coberta. Ás vezes convém cobrir a cabeça e depois de um tempo cobrir os pés, mas nunca deixar nenhuma das partes exposta demais. Só passamos a ter problema quando alguma parte fica descoberta demais.

Em alguns momentos você terá que abrir mão de um tempo com os amigos e com a família para se dedicar mais aos estudos e ao trabalho, por exemplo. Para em seguida voltar a focar na família e amigos enquanto retira um pouco o foco dos estudos e do trabalho.

É como se fosse uma dança que só quem já dormiu com cobertor curto sabe como funciona. Você cobre os pés, passa um tempinho e acorda com frio no peito. Cobre o peito e descobre os pés. Volta a dormir. Passa um tempo e acorda com os pés gelados. Tenta mudar de posição, funciona por um tempo e logo depois fica incômoda. Volta a cobrir os pés. E assim vamos, mudando e equilibrando.equilibrio

 

E aí está um equilíbrio possível. Algo temporário. De vez em quando, em um momento ou outro, encontramos certa posição em que tudo está equilibrado. Como se naquela posição o corpo todo ficasse coberto… Até que…

Até que uma parte do corpo (ou da sua vida) começa a incomodar. E quando ela incomoda precisamos dar um pouco mais de atenção e mudar para que o incômodo diminua. E assim vamos, sucessivamente.

A vida é momento e movimento. Momentos de equilíbrio, seguidos de momentos de desequilíbrio que exigem movimentos para um novo equilíbrio (talvez um pouco mais estável que o anterior).

Então calma, não é preciso se julgar tanto se você achou que tivesse encontrado o equilíbrio e agora já não está mais como era antes. Ou então porque parece que VOCÊ nunca encontra o equilíbrio. Nem sempre é você que perde o equilíbrio, às vezes a vida que forçou mais para um lado mesmo.

Nesses momentos em que a vida força muito para um lado, ficar parado é a receita para o fracasso. Então movimente-se, teste, sinta o frio na barriga que todo e qualquer desequilíbrio gera, mas movimente-se. A vida não é um eterno equilíbrio, mas sim um eterno movimento em busca do equilíbrio. ;)