Jovem, mentiram pra você

Fala, jovem. Tudo bem? Aí está você com seus 20 ou 25 anos, talvez até uns 30. Possivelmente com uma grande insatisfação diante da vida. E pode ser que boa parte disso seja porque mentiram pra você. Acredite em mim, mentiram pra você.

pinoquio

Mentiram quando associaram suas notas na escola com sucesso na carreira. Mentiram quando tentaram facilitar tudo para você, evitando que você se frustrasse. Mentiram quando te convenceram que aos 17-18 anos você tinha clareza suficiente para escolher sua profissão. Mentiram novamente quando disseram que depois que escolheu, já era. Está escolhido. Não pode mudar.

Mentiram mais ainda quando pintaram pra você um mundo em que o seu sucesso era certo. Mentiram quando projetaram uma carreira de altos e altos. Baixos só para os fracassados. Mentiram quando falaram que você deveria viver em estado de êxtase e amor com sua profissão. Aturar horários, hierarquias, chefe reclamando, etc? Não, isso não é pra você.

Mas calma. Não é porque mentiram pra você que você precisa continuar acreditando. Trago boas novas: você pode se livrar das mentiras e começar a viver uma vida mais real. Envolve coisas inimagináveis, mas vamos lá:

  • Você pode ter que “começar por baixo”: talvez não tenham te falado dessa possibilidade, mas nem todo mundo começa como CEO, diretor, nada disso. Então você provavelmente fará atividades que não envolvem, necessariamente, gestão. Sabe aquela coisa de “colocar a mão na massa” e fazer tarefas repetitivas? Pois é… Não tem nada de feio em executá-las e é um excelente ponto de partida.
  • Você pode não ser o chefe/líder: pode ser que tenham encucado em você a ideia que você era um líder nato, ou que você só poderia encarar cargos de chefia. Como o mundo é feito de líderes e liderados, você provavelmente começará sendo liderado. Talvez torne-se líder de alguma coisa, talvez não. Mas não tem problema nenhum com isso. Nem todo mundo precisa ser o ator principal, a vida é feita de muitos coadjuvantes. E acredite: isso não é um problema. Descubra se você gosta mesmo dessa tal “liderança” ou do “status de líder”.
  • Seu salário inicial pode não ser suficiente para viver aquela vida dos sonhos: não só o inicial, mas também o mediano e etc. Sabe aquela vida de morar em um lugar bom, sair para todos os lugares e sobrar dinheiro para viajar para locais paradisíacos em todos os feriados e férias? Isso pode vir com o tempo, mas não espere por isso nos anos iniciais da sua carreira. E se não vier com o tempo, saiba que você não é o único. Na verdade essa é a realidade da maioria. Acredite em mim: o Instagram não é dos melhores parâmetros para comparar sua qualidade de vida.
  • Busque comparar sua vida com a SUA VIDA. Você tem um histórico, uma rede de contatos e tantas outras coisas que não podem ser comparados de forma direta com nenhuma outra vida. Então compare você com você mesmo. Sua vida pode estar “ruim” se comparada com o mundo Instagram de alguém, mas pode estar muito melhor do que a sua própria vida estava há 1 ano atrás.
  • Sua carreira terá altos e baixos: uma hora você está em um emprego maravilhoso, depois pode ocorrer algo horrível e você está desempregado (veja o caso da Samarco aqui no Espírito Santo), ou você pode começar com boas expectativas e o jogo virar (economia vai mal). Mas saiba que carreira dificilmente é algo linear em constante ascensão. Saiba reconhecer estes momentos e também quando “um passo atrás” é na verdade “dois passos à frente”.
    my-life-mess
  • Você não precisa EMPREENDER. Pode soar hipócrita vindo de mim que tenho meu encanto pelo mundo de empreender e tomar conta da própria carreira, mas o empreendedorismo parece estar virando a obrigação da juventude. Tá tudo bem querer passar em um concurso ou entrar em uma empresa e tentar crescer lá dentro.  Isso não é menor, apenas uma escolha diferente. Eu sei que “todo mundo” está empreendendo, mas lembre-se do que mamãe falava “Você não é todo mundo” e por isso mesmo pode escolher outras coisas. Se conheça para decidir o seu futuro.
  • Você pode não ser o novo Steve Jobs ou o novo dono de uma multinacional que vai mudar o mundo. A maioria de nós não vai fazer inovações ao ponto de mudar o mundo. Mas tá tudo bem com isso também, ok?
  • Independente do que decidir, saiba que no mundo da carreira existe um período árduo em que você estuda e investe muito mais do que recebe. Os anos iniciais da maioria esmagadora dos profissionais de qualquer área são caracterizados por um aperfeiçoamento intenso e acumulação de experiências, mais do que dinheiro.
  • Por último e não menos importante: sua vida não se resume ao seu sucesso profissional/acadêmico. Se você não está bem na faculdade ou no seu trabalho, tudo bem. De boa mesmo. De boa porque a vida é mais do que a sua ocupação, mais do que o seu contra-cheque. Descubra isso o quanto antes. Se você medir seu grau de sucesso apenas por uma métrica, uma hora ou outra vai se sentir miserável.

Não se trata de uma “apologia da resignação” ou da “pobreza”. Não é para você sentar a bunda na cadeira e acreditar que não deve fazer mais ou querer mais para sua vida. Apenas tome cuidado para que isso não se torne uma obsessão ou uma corrida sem sentido.

Sei que nos acostumaram a ter tudo rápido, mas aqui no mundo offline as coisas têm um ritmo diferente, um pouco mais lento. Aquela frase motivacional “bobinha” não existe à toa: “Calma, é aos poucos que a vida vai dando certo”.